Campinas fica em 'lista de espera' para usar mosquito modificado contra a dengue; entenda

  • 03/04/2024
(Foto: Reprodução)
Ministério da Saúde informa que locais que receberão o programa já estão definidos para 2024. Mosquitos infectados com bactéria Wolbachia têm a capacidade reduzida de transmitir os vírus para as pessoas. Aedes aegypti com Wolbachia dentro de tubo de ensaio Reprodução/TV Globo O desejo de Campinas (SP) em usar mosquitos infectados com a bactéria Wolbachia como uma das estratégias de combate contra a dengue não será possível em 2024, e a cidade aguarda sua vez numa espécie de "lista de espera" do Ministério da Saúde - entenda abaixo. Com 36,8 mil infectados e oito mortes, a metrópole já vive a terceira maior epidemia da doença na na série histórica iniciada em 1998, e formalizou ao governo federal o interesse pelo método. 📲 Participe do canal do g1 Campinas no WhatsApp Ao g1, o Ministério da Saúde confirmou o recebimento do pedido de Campinas, mas destacou que já tem definido os 6 municípios selecionados para 2024, sendo apenas um deles no estado de São Paulo. São eles: Uberlândia (MG) Londrina (PR) Presidente Prudente (SP) Foz do Iguaçu (PR) Natal (RN) Joinville (SC) Diante do interesse de Campinas, no entanto, a pasta informou que se compromete a informar sobre a abertura de novas propostas para expansão do método "tão logo a capacidade de produção dos mosquitos seja aumentada e conforme análise de escores classificatórios entre municípios interessados". Não há prazo definido. Em nota, a Secretaria de Saúde de Campinas reforçou o interesse no uso da tecnologia "tão logo ela esteja disponível." O que é Wolbachia? A Wolbachia é um microrganismo intracelular e não pode ser transmitida para humanos ou animais. Mosquitos que carregam essa bactéria têm a capacidade reduzida de transmitir os vírus para as pessoas, diminuindo o risco de surtos de dengue, zika, chikungunya e febre amarela. Nem os mosquitos nem a Wolbachia sofreram qualquer modificação genética. O método teve início com a World Mosquito Program (WMP), iniciativa global sem fins lucrativos, e conta com participação no Brasil da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Fiocruz solta Aedes aegypti com Wolbachia Reprodução/TV Globo Como funciona o método? De acordo com o Ministério da Saúde, o planejamento para introdução do Método Wolbachia sugere um processo de disseminação e substituição de populações silvestres de mosquito Aedes Aegypti por populações manipuladas, em áreas prioritárias. É o Ministério da Saúde que indica os municípios que poderão aderir ao Método Wolbachia, caso tenham interesse, e esse controle, com análise de critérios técnicos, leva em conta "a limitada capacidade de produção de mosquitos para soltura pela WMP/FIOCRUZ", destaca a pasta. Dentro do campo de pesquisa da estratégias, alguns municípios foram escolhidos por representarem "diferentes regiões biogeográficas, climáticas e de organização dos serviços de saúde, além de apresentarem importante histórico de transmissão de arboviroses". São eles: Rio de Janeiro (RJ), Niterói (RJ), Campo Grande (MS), Petrolina (PE) e Belo Horizonte (MG). A implementação está organizada em três fases: pré-intervenção, durante intervenção e pós-liberação, e é firmado um acordo entre todos os entes participantes, nas esferas estadual, municipal e federal. Vacina contra a dengue Campinas (SP) deve receber 18,1 mil doses da vacina contra a dengue após uma redistribuição anunciada pelo Ministério da Saúde. O número é suficiente para atender 19% do público-alvo, que é composto por crianças e adolescentes de 10 a 14 anos. Na metrópole, essa população é estimada em 91,2 mil pessoas. Depois da capital paulista, a cidade é que vai receber o maior número de imunizantes no estado de São Paulo. Em toda a região, 15 municípios serão contemplados com 45 mil doses. Estado de emergência No início de março, a Prefeitura de Campinas decretou estado de emergência para dengue. A medida permite a adoção de ações necessárias à contenção do aumento de casos com maior flexibilidade, ou seja, sem necessidade de licitação. Entre as ações, estão direcionamento de recursos financeiros e agilidade na compra de insumos, soro e materiais para nebulização, além de pagamento de horas extras e eventual contratação de efetivo para reforçar a assistência. Quando procurar atendimento? Em fevereiro a cidade já havia anunciado mudanças nos protocolos de atendimento. Desde então, a orientação é de que pacientes com febre busquem atendimento no centro de saúde mais próximo. Antes, a recomendação da prefeitura era que os moradores procurassem atendimento médico quando o paciente apresentasse febre e mais dois sintomas associados, como dor de cabeça, dor no corpo, náusea, vômito, manchas no corpo, dor articular e dor atrás dos olhos. LEIA MAIS: DE FEBRE A MANCHAS NA PELE: veja sintomas de dengue mais e menos comuns em Campinas MUDANÇAS NO ATENDIMENTO: Campinas amplia horários de centros de saúde aos finais de semana para desafogar hospitais Já os pacientes que, além da febre, apresentarem tontura, dor abdominal intensa, vômitos frequentes, suor frio e sangramentos devem recorrer a um pronto-socorro ou Unidade de Pronto Atendimento (UPA). Pela primeira vez na história, circulam três sorotipos simultâneos na cidade: 1, 2 e 3. A Secretaria de Saúde destaca que os moradores não devem subestimar os sintomas. Andrea von Zuben, diretora do Departamento de Vigilância em Saúde (Devisa), de Campinas (SP), apresenta dados de dengue em encontro com representantes do Ministério da Saúde. Carlos Bassan A alta de casos de dengue fez Campinas anunciar, em 21 de março, a ampliação do horário de funcionamento de postos aos finais de semana para atender casos suspeitos de dengue. Serão 10 unidades funcionando aos sábados, com períodos específicos para receber sintomáticos da doença. Veja aqui os horários. Orientações à população 🌡️ A dengue causa febre alta e repentina, dores no corpo, manchas vermelhas na pele, vômito e diarreia, resultando em desidratação. Veja algumas das medidas de prevenção: Utilize telas de proteção com buracos de, no máximo, 1,5 milímetros nas janelas de casa; Deixe as portas e janelas fechadas, principalmente nos períodos do nascer e do pôr do sol; Mantenha o terreno limpo e livre de materiais ou entulhos que possam ser criadouros; Tampe os tonéis e caixas d’água; Mantenha as calhas limpas; Deixe garrafas sempre viradas com a boca para baixo; Mantenha lixeiras bem tampadas; deixe ralos limpos e com aplicação de tela; Limpe semanalmente ou preencha pratos de vasos de plantas com areia; Limpe com escova ou bucha os potes de água para animais; Limpe todos os acessórios de decoração que ficam fora de casa e evite o acúmulo de água em pneus e calhas; Coloque repelentes elétricos próximos às janelas (o uso é contraindicado para pessoas alérgicas); Velas ou difusores de essência de citronela também podem ser usados; Evite produtos de higiene com perfume porque podem atrair insetos; Retire água acumulada na área de serviço, atrás da máquina de lavar roupa. Larva do mosquito Aedes aegypti, vetor da dengue e da chikungunya Rogério Capela/Divulgação VÍDEOS: saiba tudo sobre Campinas e Região Veja mais notícias da região no g1 Campinas

FONTE: https://g1.globo.com/sp/campinas-regiao/noticia/2024/04/03/campinas-fica-em-lista-de-espera-para-usar-mosquito-modificado-contra-a-dengue-entenda.ghtml


#Compartilhe

Aplicativos


Locutor no Ar

Peça Sua Música

Top 5

top1
1. Eu te levantarei

Frei Gilson

top2
2. Em teu altar

Adoração e Vida

top3
3. Manda teus anjos

Anjos de Resgate

top4
4. Ninguém te ama como eu

Thiago Brado

top5
5. Humano amor de Deus

Adriana Arydes

Anunciantes